Cristal Marcel Vogel (ou Voguel) com 12 Facetas

Cristal Marcel Vogel (ou Voguel) com 12 Facetas

R$20,00

R$16,00

(Em estoque)

Previous

Japamala Com Pedras Naturais em Ágata Roxa

Cristal Marcel Vogel (ou Voguel) com 12 Facetas

Marca: Loja das Pedras Brasileiras
Modelo: 7347
Disponibilidade: Em estoque

Peso e Dimensões do Produto

Peso: 100.00 gramas
Dimensões (C x L x A): 2.00 x 3.00 x 5.00 centímetros
R$16,00 R$20,00
  • ou em até 1 X de R$16,00 sem juros Total: R$16,00
  • ou em até 2 X de R$8,00 sem juros Total: R$16,00
  • ou em até 3 X de R$5,33 sem juros Total: R$16,00

Taxa de juros de 2.39% ao mês

Opções disponíveis

Calcular Frete e Prazos

Cristal Quartzo Vogel (ou Voguel) com 12 facetas lapidadas em linha reta e base reta para ficar em "PÉ".


NOME DA(S) PEDRA(S): Cristal Quartzo

COR DA(S) PEDRA(S): Cristalina Hialino

CORTE DA(S) PEDRA(S): Voguel 01 Ponta ( Fica em Pé)

CLARIDADE DA(S)  PEDRA(S): Transparente

MEDIDA DA(S) PEDRA(S):  Altura 2 a 5 Centímetros Varia de Acordo com Estoque (selecionar opção ao comprar)

PESO TOTAL DA PEDRA: Exatos 28 Quilates Varia de Acordo com Estoque 

ORIGEM:  Brasil (Minas Gerais)


CRISTAL VOGEL (OU VOGUEL)

Os cristais lapidados de quatro, seis, oito, e 12 faces, com dupla terminação, que foram idealizados por Voguel a partir de    seu inshgth, linkando mentalmente o sistema construtivo da Árvore da Vida com formatos iguais lapidados nos  cristais, fizeram com que a Água ressonasse e vibrasse na mesma freqüência do cristal! Esta medição foi conseguida através do uso de espectrofotometria ultravioleta que determina a carga ou proporção de vibração da água. Segundo Voguel este resultado foi e é importantíssimo, pois, a água é o elemento da vida, e quando se lapida um cristal e harmoniza-o com uma molécula de água, tem-se o canal primário de comunicação com o plasma sanguíneo que é essencialmente água, permitindo assim a assimilação pelo plasma da vibração ou padrão que o corpo precisa  para se reconstruir eletronicamente, reestruturando o que for necessário. Entretanto, a maior descoberta feita em seu laboratório de San José foi a possibilidade de medir a mudança de carga, e conseguir que o cristal oscilasse de acordo com o padrão mental do observador, logo, a programação mental do cristal foi constatada cientificamente e pode ser transferida para a água!


UMA MESMA ENERGIA REGE AS PEDRAS E TODOS NÓS

Ninguém sabe realmente quanto tempo um cristal leva para se formar. Alguns geólogos falam em milhares de anos, enquanto outros afirmam que, a partir da combinação dos elementos adequados e sob condições específicas, a maioria dos cristais pode se formar em poucos minutos. No que todos concordam é que as formações minerais cristalinas são especiais. Não só pela beleza incomum mas pelos poderes que são a elas atribuídos por muitos pesquisadores.

A maioria dos cristais se forma no magma, camada interior da Terra composta de gases incandescentes e metais em estado líquido, em alta temperatura. À medida que porções desse material fundido alcançam camadas mais externas da Terra, começam a esfriar (lenta ou repentinamente) e a endurecer. Quando essa massa de rocha esfria totalmente, os átomos que a compõem agrupam-se de forma especialmente regular, assim nascendo os cristais, formações simétricas e, em sua maioria, com algum grau de transparência.

Alguns cristais formam-se em cavidades vulcânicas que são “falhas” na lava resfriada depois das erupções dos vulcões e onde ficam retidos alguns gases. Outros ganham forma pelo acúmulo de sais em praias, rios ou veios d'água subterrâneos. A erosão lenta de rochas, provocada pelo trabalho do vento, água e gelo, faz com que elementos como o carbono ou o silício sejam liberados e se agrupem sob condições muito especiais e assim surgem também alguns cristais.

A outra forma de um cristal nascer é sob uma forte pressão. Terremotos e pequenos movimentos na crosta fazem com que rochas de superfície e cristais já formados escorreguem para camadas mais profundas. Ali, os cristais são fortemente comprimidos e ganham uma incrível resistência, passando por um processo conhecido como recristalização. É assim que nasce, por exemplo, o diamante, o mais duro de todos os minerais da Terra.

Para ter uma ideia da pressão que sofre um diamante antes de ficar “pronto”, basta saber que numa única gema, do tamanho do seu dedinho, estão concentrados mais átomos de carbono, que é o princípio químico da vida, do que em 50.000 árvores centenárias com mais de 30 metros de altura.


O QUE SÃO OS CRISTAIS

Como toda matéria, os cristais são compostos por partículas microscópicas, os átomos. Átomos são constituídos de partículas ainda menores: prótons, elétrons e nêutrons. Essas pequeníssimas porções de matéria estão em movimento constante, vibrando sempre. É por isso que se define toda a matéria como “energia concentrada”. Durante essas vibrações, cada átomo de matéria capta e emite energia ao mesmo tempo. Não existe, portanto, matéria morta. O mundo físico, palpável, nada mais é que o agrupamento de diferentes combinações de energia concentrada, onde tudo está sempre trocando informações, ou seja, vibrando numa determinada sintonia.

O que define a forma de uma pessoa, ou de uma rocha, é a maneira como os átomos que as compõem se juntam em moléculas, e como estas se agrupam para compor a forma física desses seres.

Um cristal é, portanto, um ser vivo, tanto quanto nós. Aparentemente muito diferente, e certamente com outro tipo de habilidade, mas não apenas uma coisa.

Na formação de uma estrutura cristalina, como a ametista, o quartzo límpido ou o citrino, por exemplo, os átomos estão associados em perfeita unidade e harmonia, como se tivessem nascido uns para os outros. Assim também acontece com as moléculas, que vibram todas numa mesma frequência.

É por isso tudo que os cristais são considerados formas minerais integrais e completas em si mesmas, que encantam pelo formato perfeito, pelas cores deslumbrantes e pela luminosidade que irradiam. Só que para chegarem às nossas mãos, passam por um exaustivo trabalho de extração. Como se formam em veios, na terra, é preciso tirá-los de lá com ferramentas rudimentares, cunha e martelo. O trabalho se complica quando feito em escala industrial. Aí é preciso usar máquinas especiais, até explosivos, como na extração do quartzo em todas as suas variações. Em outros casos, é preciso colher o cristal depositado na areia, em beira de praia ou leitos de rios, da mesma forma que se obtém o diamante e o topázio.

Aí, a pedra bruta ainda vai passar por um processo de limpeza com produtos químicos e de polimento e lapidação para só então revelar todo o seu brilho. 


Vídeos do Dr. Marcel Vogel (em Inglês)

https://www.youtube.com/watch?v=fXsxI72QtWI

https://www.youtube.com/watch?v=1icZ5z_Huqw

https://www.youtube.com/watch?v=7V7IWshJgWA

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.